/** * @package T3 Blank * @copyright Copyright (C) 2005 - 2012 Open Source Matters, Inc. All rights reserved. * @license GNU General Public License version 2 or later; see LICENSE.txt */ defined('_JEXEC') or die; ?>

Impressões

O blog da ANconsulting

drupa: em sete pontos, uma industria relevante, leve, interdependente, digital e desafiadora.

drupa: em sete pontos, uma industria relevante, leve, interdependente, digital e desafiadora.

nosso atigo na revista Abigraf 283

“ Este é o começo da nova indústria gráfica..... e há muito mais oportunidades no futuro do que se teve no passado”. Essas foram as palavras de Guy Gecht, presidente da EFI, em um curto vídeo de 20 segundos que gravei com ele durante a drupa.

Começo este artigo com essa citação pois creio que ela simboliza muito do que se viu nesta edição da feira e, em especial, dita pelo presidente de uma das empresas de tecnologia mais ativas que temos no mercado gráfico mundial. Seu crescimento vem sendo constante e acima de dois dígitos anualmente. Fruto, de um lado, de uma agressiva política de incorporação de empresas de diversos segmentos de atuação como as impressoras inkjet Creta da Espanha para impressão de cerâmicas e ladrilhos ou mesmo a Metrics, no Brasil, já há alguns poucos anos, entre muitas e muitas outras. É difícil passar um trimestre sem o anuncio de uma nova aquisição. Por outro lado, por estabelecer alianças estratégicas e interdependência com mais de 60 empresas do mercado, incluindo todos os principais fornecedores de tecnologia de impressão digital e de softwares. Hoje, pode-se dizer,  a EFI domina a área de servidores de impressão digital e é forte fornecedor de plataformas de operação gráfica, os workfows. Por essa razão, nessa mesma entrevista, Guy dizia que os gráficos tinham duas opções: ficar atrelado ao passado, reduzir custos e tentar sobreviver ou dar um salto à frente através de uma plataforma tecnológica como as fornecidas pela EFI, claro,  ou por outros do mercado.  

(Veja a entrevista de Guy Gecht)

Sintetizo e pontuo minha observação da feira baseado nessa visão do Gecht e na analogia que podemos fazer com o crescimento da EFI. Primeiro, o que se viu foi uma indústria vibrante, moderna, com altos investimentos em desenvolvimento tecnológico por empresas de classe mundial e uma miríade de centenas de empresas periféricas, todas visando um mercado que, ao contrário de estagnado e decadente, está em uma mudança ascendente. Ascendente para quem está, claramente, atrelado ao futuro e não ao passado. Para quem percebe que o futuro da indústria está na inclusão da relevância do impresso na difusão de mídias e que os produtos da empresa denominada gráfica (ou outro nome mais apropriado de acordo com seu mercado), incluem produtos físicos e não físicos ou mesmo tridimensionais, como os feitos em impressoras 3D.

Interessante isso. Há um certo renascimento da importância da impressão em vários níveis. Não como antes, visando a profusão e volumes abundantes, mas a constatação de que o impresso não é, na realidade, um agressor da natureza ou um transgressor da nova ordem digital do mundo. Que ele tem significado e importância específica, identificável, visual, tátil, olfativa e funcional. Sim, funcional através das embalagens e das inúmeras aplicações que as novas tecnologias vêm permitindo, onde imprimir não se resume mais ao papel ou plásticos, mas se expande em múltiplas direções. Do piso, às paredes, aos móveis, aos azulejos, às roupas, às janelas, às decorações, aos carros, aos aparatos eletrônicos, aos bio-sensores, ao mundo. Sim, hoje podemos imprimir o mundo. Incrível, não?

Dai a constatação de que há mais oportunidades hoje nesse mercado estrategicamente ampliado do que tínhamos antes, da época da reprodução em massa de originais. Hoje cada impressão pode ser um original. E há muitas deles para serem feitos. Cada vez mais, individualmente ou voltados à customização de massa.  Vejam o ressurgimento dos catálogos, a revitalização dos livros e as inúmeras criações de marketing usando o material impresso como impulsor do processo de comunicação aos clientes.

Ratificando essa constatação, encontrei na feira as publicações da PrintPower. (www.printpower.eu) Quem não conhece deveria conhecer. Revistas visual e editorialmente cativantes. Parecem as revistas de informação geral, com textos leves e muito bem dirigidos. Todos, neste caso, dirigidos à importância da impressão. Ela se identifica como “a única revista europeia focando diretamente na efetividade da impressão e seu papel vital em chegar mais perto do consumidor”.  Distribuída em 12 países europeus para mais de 60.000 leitores. Pouco? Pode ser, mas de um impacto imediato. Experimente ver uma. Garanto que como gráfico você vai amar, mas o legal é a mensagem para leitor não gráfico. E nisso eles são muito bons. No alvo.

Capa da revista PrintPower distribuida na feira no estande da Canon:                                          

PrintPower

na revista um destaque para o case da Neutrogena na capa de Caras impressa na Pigma em SP em uma HP 7600:

Pigma

 

Desviei um pouco, mas vejo tudo isso relacionado à minha constatação inicial. Portanto, ponto um: essa indústria está mais vibrante e, repito, estrategicamente ascendente se a olharmos pela fantástica síntese dada pela própria organização da feira: “fígital”, na junção do físico com o digital.

Esta edição da drupa também foi, para mim, a mais leve das últimas edições. Explico. Os equipamentos, de forma geral, são feitos para aplicações específicas, em especial as impressoras digitais.  No entanto, mais do que nunca, e com a velocidade de mudança dos mercados, os fabricantes de equipamentos desenvolvem soluções a partir das necessidades dos clientes para utilização quase imediata. Em especial com as novas tecnologias inkjet e as aplicações das cabeças de impressão em diferentes configurações de equipamentos. Por isso saí da feira com a nítida sensação de que os equipamentos serão, cada vez mais, customizados para os clientes, a partir de suas necessidades específicas e aplicações que nem sempre vão durar mais do que alguns poucos anos. Um equipamento para cada um! E, portanto, uma indústria mais flexível e mais leve. Uma indústria da customização, a partir dos equipamentos. Meu ponto dois.

O incrivel Hall 17 integralmente ocupado pela HP na feira. A empresa apresentou muitas evoluções tecnológicas mostrando a sua rapidez de respostas para as necessidade dos clientes no dia a dia.

thumb IMG 1124 1024

Reforçando essa visão, e voltando à citação inicial que fiz da EFI como analogia do que se pôde ver na feira, as alianças estratégicas entre fabricantes foram às alturas. E há uma clara lógica por trás disso. Para um desenvolvimento mais rápido de soluções, menor custo, rapidez e efetividade, nada melhor do que juntar competências. Tomem-se os tradicionais fabricantes de equipamentos offset com décadas de experiência no desenho e manufatura de grandes estruturas de máquinas e mais do que provados sistemas alimentação, passagem e transporte mecânico de papel e junte-se aos novos sistemas de impressão digitais que as empresas de tecnologia bem saber fazer e pronto! Uma incrível oferta e anúncios de novos equipamentos digitais, a maioria focados para a produção de embalagem, com especial ênfase para impressão direta de embalagens corrugadas, ondulados nos mais diversos tipos de ondas. Muitos chegaram a dizer que essa era a drupa dos corrugados. Portanto, a construção de soluções finais através de alianças entre fabricantes diversos visando novos equipamentos digitais e híbridos, a criação de interdependências, tão ao molde do mudo atual,  é meu terceiro ponto.

rotativa para corrugado da KBA e HP (na feira só estavam os cilindros)

HP KBA

Se falei em leveza, mais leve ainda é pensar nas plataformas digitais, ainda mais agora que estão se alçando às nuvens. Se a questão do workflow já era relevante há pelo menos 3 ou 4 drupas,  mais do que nunca é agora com os conceitos da chamada indústria 4.0 ou Print 4.0 como colocada na feira. Foi o tema de meu artigo anterior publicado  nesta revista Abigraf. Não estamos ainda lá, mas estamos a caminho das plantas inteligentes, conectadas e de produções flexíveis, características dessa nova concepção industrial. A configuração da sua plataforma individual de produção que começa na conexão e interação com o cliente, na facilitação da determinação e ordenação do trabalho e sua incorporação no fluxo de produção da gráfica, a conjunção dos processos produtivos e a incorporação de serviços que absorvem processos do cliente e criam valor nessa relação. Sei que tudo isso pode soar estranho para alguns, mas já é o que acontece quando começamos a montar o quebra cabeças da nossa plataforma digital de oferta ao cliente interligada ao sistema operacional. Um quebra cabeças composto por softwares que interagem e integram o web-to-print, precificação, produção e logística. Com a realidade de já se poder fazer isso tudo nas nuvens. Meu quarto ponto observado e anotado.

Um bem sacado slide da Ricoh em sua apresentação para a imprensa na feira sobre a Indústria 4.0:

Captura de Tela 2016 07 05 às 23.04.30

 

Não há, claro, como falar dessa drupa sem falar de impressão digital e, em especial, do inkjet. Há três drupas que se fala do inkjet, mas essa, finalmente, se pode dizer que foi dominante. Uma prévia disso já se via na GraphExpo do ano passado em Chicago. Uma explosão de ofertas com ênfase nos grandes equipamentos rotativos e nas novas ou semi novas máquinas de bobina a folha. Já antecipávamos isso no conjunto de artigos que publicamos do nosso amigo David Zwang em nosso blog. Não deixou de impressionar os grandes e sofisticados estandes dos principais fornecedores de tecnologia digital como Canon, Ricoh, Xerox, Agfa, Konica Minolta, e o charmoso estande da Kodak, entre outros, com especial destaque para a HP e seu impressionante Hall 17. Abarrotado. De equipamentos e de gente, o tempo todo. Com produções de ponta a ponta, da criação ao produto final. com muitas amostras de material impresso. Uma feira, aliás repleta de amostras à vontade, com exceção das mais procuradas que eram as da Landa, difíceis de obter.

Amostras de impressões inkjet no stand da Kodak

thumb IMG 1127 1024

Falando em Landa, não é possível falar da feira sem tocar daquele que foi o estande mais procurado, o que mais despertou curiosidade e que, finalmente, mostrou suas máquinas em demonstrações ao vivo e em cores. Velocidades espetaculares equivalentes ao offset, nas planas e rotativa, impressões em cores vibrantes, um show de apresentação e marketing do gênio Benny Landa em um auditório repleto de realidade aumentada e efeitos especiais. Um novo equipamento de metalização que promete engolir o hot stamping. O anuncio da entrega das primeiras máquinas beta para grandes empresas no mundo e novas confirmações de pedidos. Tudo de acordo com o que se esperava depois do seu explosivo e surpreendente aparecimento na drupa anterior. Mas agora é que a coisa vai pegar. Só na realidade da produção é que as máquinas vão ser testadas e, certamente, muito desafios ainda vão surgir. E sua real disruptura entre o offset e o digital vai se confirmar ou não. Seguramente sim, com o tempo. Não há como, digital, inkjet, Landa é meu quinto ponto de destaque.

O show particular de Landa na feira e a projeção da velocidade das suas máquinas

thumb IMG 1084 1024 thumb IMG 1082 1024

 

Vendo tudo isso e com uma participação bem menos relevante dos sistemas offset na feira, poderíamos concluir que os processos tradicionais estão em real decadência prevalecendo de vez o digital, mas a história não é bem essa. Primeiro que a produção de material gráfico em offset, flexografia, rotogravura e outros são ainda amplamente dominantes. O digital é crescente e continuará a ganhar espaço, mas ao longo destes últimos anos o investimento em offset parou de cair em nível mundial e vem se estabilizando ao redor de 28%, conforme os dados das pesquisas da drupa. Fora isso não há como não se extasiar, essa é a palavra, com a qualidade de reprodução atingida hoje pela flexografia, de longe o processo que mais ganha espaço na produção de rótulos e embalagens, ainda que o digital venha mordendo pedacinhos desse segmento. Segmento de embalagens, aliás, que logo chegará a representar 50% da produção gráfica mundial, segundo os dados do estudo WWMP da Npes/Primir. Não é à toa que tantos lançamentos focaram esse mercado na feira, tanto de impressão digital, equipamentos híbridos e os tradicionais, incluindo nisso os de acabamentos, novos reis na busca de produtividade e embelezamento do material impresso. O fator sensorial realça o material impresso e capta a atenção do consumidor e dos muitos jovens que redescobrem valor em algo além do digital. Por isso mesmo não houve quem não se impressionasse com as fabulosas apresentações dos novos equipamentos e aplicações da Scoodix, os envernizamentos da MGI, o corte e vinco a laser da Highcon e outros. O mundo da conversão que inclui a produção de rótulos e embalagens flexíveis, corrugadas ou semi rígidas, a evolução dos acabamentos em linha na busca de produtividade e todos os recursos que realçam o lado sensorial da impressão, são, obviamente, meu sexto ponto de realce.

amostras da Scoodix na feira com suas aplicações de verniz e relevo no digital:

scoodix

Muito também se mostrou e se falou das agora badaladas impressão funcional e impressão industrial, embora muitos não entendam ainda essas classificações. A impressão funcional é toda aquela não baseada em papel e que pode utilizar os mais diferentes substratos: madeira, tecidos, vidro, plástico, cerâmica, eletrônicos e outros. A impressão industrial também usa esses diferentes substratos, mas é parte de um processo produtivo industrial como movelaria, vidrarias, cerâmicas, etc. Com as novas tecnologias digitais de impressão em equipamentos chamados de grande formato em plotters, flatbeds, etc., vem revolucionando mesmo a arte de imprimir e pintar o mundo. É o que chamo de mundo da impressão da coisas. O interessante é ver a importância que essas aplicações ganharam ao longo do tempo, herdeiras que são do ainda existente e firme mercado de silk screen. Mercados fragmentados, mas nichos que ganham importância e relevância a ponto de serem cada vez mais incorporados nas linhas de produção de gráficas comercias.

Nessa linha também entram as impressoras 3D e toda a discussão que trazem embutidas. É o não impressão? É ou não produto gráfico?. Apontada como uma das artífices da nova produção industrial, seu uso é crescente desde protótipos a fantásticas aplicações biomédicas, na construção de próteses e articulações e muito mais. O que faziam esses equipamentos na drupa?

Nesse ponto ceio que os organizadores acertaram em cheio. A intenção foi criar a disruptura, um contraponto, um estímulo para se pensar fora da caixa. Daí também o convite para que o pessoal do Medice Group viesse na abertura da feira falar de inovação ressaltando o que chamam de intersecções, choques de diferente culturas que geram novas ideias e, claro, inovações. Mais que nunca pensar fora da caixa é fundamental em um mundo dinâmico, interdependente e complexo onde a comunicação é cada vez mais individualizada e menos apolínea. O que se vai fazer com o 3D? Ora alguns vão simplesmente fazer bonequinhos com a cara das pessoas e vender em quiosque nos shoppings. Outros vão incorporar em convites, em materiais promocionais, em comunicações que criem diferenciais para seus clientes e causem novas experiências. Outros, como mostrados pela Massivit de Israel que trouxe uma impressora 3D de 1,80m de altura criar não só outdoors chamativos com peças tridimensionais, como mostrou um case de envelopamento de um ônibus com impressos sobre moldes feitos em 3D com as caras dos Angry Birds criando um efeito visual fenomenal. Por todo esse novo mundo funcional, tridimensional e também sensorial, meu sétimo ponto.

aplicação de 3D em outdoor da Massivit no páteo central da feira:

thumb IMG 1652 1024

Por fim, regresso ao começo. Revejo a entrevista do Guy e confirmo. Sem dúvida esse é o limiar de uma nova indústria gráfica, ou de uma nova indústria, com mais oportunidades pela diversidade de produtos, mercados e inovações. Dentro disso, o empresário gráfico pode dar um salto à frente, se arrojar e tomar a atitude de mudar e buscar novos caminhos que começam no efetivo entendimento das novas necessidades dos seus clientes que querem reduzir seus custos de processos, querem se comunicar melhor e levar aos seus clientes experiências sensoriais, relevantes, personalizadas e customizadas. Querem mais do que fornecedores: querem verdadeiros parceiros de jornada e de negócios. A tecnologia para isso já existe. A drupa mostrou isso claramente.

Que tal aceitar esse desafio já?

 

P.S a mudança de 3 para 4 anos para a próxima feira obrigou a algumas adaptações..

 

thumb IMG 1665 1024thumb IMG 1666 1024

 

 

 

 

 

 

 

 

 

/** * @package EasyBlog * @copyright Copyright (C) 2010 - 2014 Stack Ideas Sdn Bhd. All rights reserved. * @license GNU/GPL, see LICENSE.php * EasyBlog is free software. This version may have been modified pursuant * to the GNU General Public License, and as distributed it includes or * is derivative of works licensed under the GNU General Public License or * other free or open source software licenses. * See COPYRIGHT.php for copyright notices and details. */ defined('_JEXEC') or die('Unauthorized Access'); ?>
Continuar lendo
1742 Hits
0 Comentários

Arquivo

Quem está online?

Temos 81 visitantes e Nenhum membro online